Stages é um estudo de orientação prática sobre como performances podem ser usadas para estimular a reflexão sobre processos de “alterização” que levam à discriminação, à violência e à exclusão na sociedade. É coordenado, na People’s Palace Project (PPP), por Shana Swiss. Usando o modelo de Dez Estágios do Genocídio (do Genocide Watch) como um catalisador para o conteúdo dramático, cada grupo cria, de forma colaborativa, um evento teatral que aborde a questão da desigualdade e da exclusão social de forma a refletir as realidades locais. Os Dez Estágios são um modelo que apresenta os fatores de risco do genocídio enquanto um processo, com fases (classificação e discriminação, por exemplo), que podem ser identificadas precocemente, rejeitadas, repelidas e interrompidas.

O objetivo do projeto é desenvolver o ativismo cidadão e o envolvimento da comunidade com detentores do poder e responsáveis pela tomada de decisões, por meio da criação de performances de teatro participativas e de conversas que ampliem o entendimento tanto dos processos que levam à exclusão quanto daqueles que promovem comportamentos de contestação à discriminação e de aceitação das diferenças. O projeto permite às pessoas experimentar o potencial do teatro para jogar luz sobre certas questões, contestar atitudes e desenvolver soluções.

A primeira peça produzida pelo projeto Stages chama-se Stage 3. Trata-se de uma performance participativa de dez minutos concebida por um grupo de estudantes da Queen Mary University,de Londres, em trabalho desenvolvido com  a diretora de teatro Canan Salih. A produção abriu o evento (Un)Structured Dialogues do projeto Tafahum em julho de 2018, em Tower Hamlets, Londres. Com o envolvimento de jovens e responsáveis pela tomada de decisões na performance participativa, Stage 3 fez uso dos Dez Estágios do Genocídio como um catalizador para lançar um olhar sobre a burocracia e o poder do sistema britânico de naturalização.

Ao abordar o processo de categorização por raça, idade e perfil socioeconômico, Stage 3 coloca os participantes posições que colocam em questão suas percepções de poder e impotência. A performance gerou uma discussão acalorada sobre imigração, discriminação e pertencimento, questões que ecoaram junto a muitos dos jovens presentes, alguns dos quais com vivências do complexo processo britânico de imigração.A produção relaciona-se intimamente com ao senso de pertencimento e aos direitos de cidadania dos jovens.

Por meio de parcerias com a Remembering Srebrenica e a Safe Passage, uma série de apresentações a peça Stage 3 será levada a comunidades de diversas regiões da Inglaterra no outono de 2018. Para mais informações, acesse a página do projeto no Facebook.

Um conjunto de ferramentas online será desenvolvido para que os Dez Estágios do Genocídio possam ser usados como um indutor para o desenvolvimento de eventos de teatro interativo em escolas, universidades e organizações no Reino Unido e em outros países. O plano é que o projeto ganhe escala nacionalmente por meio da rede de escolas e de instituições de caridade e de direitos humanos. Está também em desenvolvimento uma pesquisa de orientação prática para explorar o desenvolvimento do ativismo comunitário e da participação do público em atividades artísticas voltadas para transformação social e para o planejamento de carreira entre estudantes participantes da Stage 3 ao longo dos próximos três anos.

Stages conta com o apoio do Peace Development Fund e da National Lottery Awards for All.